FMZ A Rádio
da Família

Acabou a água? Vá ao bebedouro da Igreja

* Por Leandro Fidelis

Diante da retirada de várias marcas de água mineral das prateleiras e do calor intenso na região, o filtro da Igreja Matriz de Venda Nova está mais procurado que nunca. Com a falta de galões de 20 litros no mercado, algumas firmas se abastecem com a água de mina geladinha da Paróquia.

Funcionários de comércios e oficinas próximos e também da Prefeitura sempre recorreram à fonte no lajão da Igreja, mas o movimento aumentou desde a apreensão de água mineral no Estado. Até quem não é fiel da Paróquia já descobriu o bebedouro para encher sua garrafa.

“Eu ia buscar água na Fazenda da Saúde quando soube que na Igreja tinha filtrada e gelada. Fiquei sem água em galão em casa e para os funcionários”, diz Rafaela Pagotto, proprietária de uma padaria.

Marcos Jareta, que trabalha numa construtora, sempre abasteceu na Igreja. “A água é limpa, filtrada e gelada. Pego duas vezes ao dia”, conta.

Às vezes dá fila. Tem gente que chega com cinco vasilhames de uma vez para encher. “As pessoas vêm de carro para pegar para a família inteira. A água está disponível, mas não sai de graça para a Igreja porque a bomba e o refrigerador consomem energia”, diz Paula Falqueto, secretária da Paróquia.

A Vigilância Sanitária Municipal alerta aos moradores para tomarem cuidado com o consumo de água de fontes duvidosas. De acordo com o fiscal Eduardo Dalfior, poços e nascentes também podem estar contaminados. “A água deve estar com potabilidade garantida e passar por análise microbiológica e físico-química. A água da Cesan está apropriada”.

Liberação

Em cumprimento ao termo de ajuste de conduta do Ministério Público e da Vigilância Sanitária Estadual, a Vigilância Sanitária Municipal apreendeu cerca de 15 mil litros de água mineral nos dias 20 e 21 de novembro. Todas as águas envasadas até 22 do mês passado foram recolhidas.

De acordo com o órgão, somente estão liberadas para comercialização as águas das marcas Campinho, Iate, Nova Esperança, Acqua Reale, Ingá e Avita. Os vasilhames de 330ml, 500ml, 1,5l entre outras menores já estão regularizados. O galão de 20l ainda está em falta e não há previsão para retornar ao mercado, segundo o principal distribuidor da região.

Técnico em eletrônica, Ademilson Bellon, garante o abastecimento na sua empresa com água do poço. “Adotei esta idéia e não compro mais água”. Ele ainda alerta para a falta de higienização do recipiente. “Tenho até uma briga com os fornecedores. Fica difícil higienizar porque ele vem todo arranhado e parte dele entra em contato com a água”.

Entenda o caso

(* Fonte: site G1)

Uma fiscalização do Departamento Nacional de Produção Mineral- DNPM mostrou que as empresas não vinham respeitando as condições ideais de captação e processamento de água. A medida faz parte do termo de ajustamento de conduta firmado pelos órgãos com as empresas e atinge 14 marcas: Paraju, Ingá, Avita, Campinho, Iate, Pedra Azul, Nova Esperança, Acqua Reale, Dupote, Xuap, Linhágua, Calogi, Uai e Açaí.

Segundo o promotor Saint Clair Júnior, a multa por descumprimento do acordo é de R$ 87 mil. “Essa audiência foi o marco zero. As empresas vão zerar todos os produtos no mercado e, a partir do momento em que forem se adequando, vão sendo recolocadas. A água retirada do mercado será descartada, provavelmente em uma estação de tratamento de água”, declarou à imprensa da capital.

Entre os problemas apontados pelo DNPM e pelo MP estão a falhas na rotulagem, irregularidades com fontes e até problemas de higiene. De acordo com o promotor, mesmo que os exames não apontem contaminação da água, as práticas adotadas pelas empresas estão fora dos padrões. “Independente da qualidade da água, a observância dessas condições a torna inadequada para o consumo. Ela é imprópria para o consumo mesmo se não estiver contaminada, até porque, se estivesse, seria um problema de saúde pública.”

Para ele, o “recall” é fundamental para dar maior segurança à população. “Após o desabastecimento, o mercado será reabastecido com água certificada. É preciso haver mecanismos de prevenção.”

Segundo a assessoria de imprensa da Secretaria da Saúde, a análise preliminar de seis marcas capixabas mostrou que elas não apresentavam sinais de contaminação e estavam aptas para o consumo. São elas: Pedra Azul, Uai, Xuap, Dupote, Acqua Reale e Campinho.

Confira mais Notícias

Feira Espírito Madeira-Design de Origem 2024 em novembro

Enem 2024: inscrições prorrogadas até 14 de junho

Cidades

Venda Nova bate recorde de frio no ES pela terceira vez em uma semana

Cidades

Venda Nova realiza 1ª Feira de Empregos com mais de 50 oportunidades de trabalho

5º Concurso Municipal de Fotografia de Venda Nova está com inscrições abertas

Agronegócio

Favesu 2024: feira de avicultura e suinocultura capixaba no Polentão em Venda Nova

Oportunidade

10 mil vagas em cursos de graça para mulheres

Organizador do Polenta Off Road doa R$ 10 mil para Voluntárias do Hospital de Venda Nova