FMZ A Rádio
da Família

Café com certificação, dinheiro na mão

Sexta-feira (26), na Casa do Café em Venda Nova, a Cooperativa dos Cafeicultores das Montanhas do Espírito Santo- Pronova entregou 14 cheques referentes à primeira venda de café certificado saído da região. O clima era de otimismo entre os 14 produtores contemplados.

Depois de promover uma série de transformações na propriedade e na sua postura em relação ao meio ambiente, esse grupo conquistou a certificação Fair Trade- FLO. Um contêiner com 320 sacas embarcou para a Suíça com um valor unitário de R$ 303,00 a saca.

Preocupados com a segurança alimentar, com as condições de trabalho no campo, entre outras questões éticas, consumidores de todo o mundo, principalmente da Europa, exigem um produto de origem rastreada. Esse novo mercado que se abriu ficou conhecido por “Mercado Solidário”.

Ao receberem o pagamento, todos os cafeicultores assinaram um termo de comprometimento com as regras exigidas pela certificadora para continuar com seu produto à venda no Mercado Solidário.

“Estamos comprometidos com os nossos cooperados. O segundo contêiner já está na Abic, de onde sairá ainda este mês para a Inglaterra via Mercado Solidário”, anunciou Evair de Melo, degustador e coordenador do concurso Cafuso UCC, durante a entrega dos cheques. “A idéia é que todo mundo ganhe”.

Evair destacou o pioneirismo dos vendanovenses Ivan Caliman, Máximo Lorenção e Félix Falqueto, sócios-fundandores da Pronova, principalmente pela persistência no setor. “Quando vendemos café pela primeira vez para uma torrefadora estrangeira, não sabíamos no que ia dar. Lembro que ganhei dinheiro de primeira. É preciso acreditar e arriscar e foi isso que fiz com a certificação”, declarou Máximo.

O cafeicultor Carlos Alberto Altoé, outro que ganhou com a primeira venda, destacou a limitação do mercado antes da certificação. “A certificação nos abriu outros mercados”. Já Renata Rigo, de Conceição, disse acreditar que a tendência é progredir. “Todos estão se organizando. Não há como regredir”.

De acordo com Pedro Carnielli, presidente da Pronova, a cooperativa pretende comercializar de 2.000 a 3.000 sacas por ano no Mercado Solidário. O preço por libra, pré-estabelecido em dólar, é de US$ 1,25. Ao comercializar por meio deste canal, o produtor tem garantido um preço mínimo, independente da cotação da moeda americana.

“Consolidamos um objetivo que perseguíamos há tempos e hoje, diante do contentamento dos nossos cooperados, a Pronova sabe que está no caminho certo”.

Programa

Coordenado pela Pronova numa parceria com o governo do Estado, Incaper, Prefeitura de Venda Nova e Sebrae, o Programa de Certificação e Rastreabilidade começou em abril de 2006 e tem como meta incluir mais 50 propriedades até o final de 2007. Um engenheiro agrônomo e uma bióloga foram contratados para essa missão.

Ao implantá-lo, o objetivo da Pronova é conceder um selo de qualidade para o café das montanhas e, ao mesmo tempo, melhorar a gestão das propriedades, proporcionando às mesmas: padronização, qualificação, adequação à legislação brasileira e à produção de café sustentável. A cooperativa já possui a certificação Fairtrade e segue também o Código de Conduta da Utz Kapeh, da Guatemala.

* Por Leandro Fidelis

*Publicada em 30/01/2007

Confira mais Notícias

Agronegócio

Idaf capacita Serviços de Inspeção Municipais e totaliza 525 produtos incluídos no Susaf

Economia

Recorde nas exportações do agro capixaba no 1º trimestre de 2024

Agricultura

Centro de Cafés Especiais do Espírito Santo é escolhido para avaliar grãos do Mato Grosso

PH do SOLO

Venda Nova irá doar calcário, mudas de café e pupunha para produtores

Ruraltur

Empreendedores da região Serrana vão participar de feira nacional no MS

Veja os premiados no leilão de cafés tardios de Venda Nova

Incaper

Tecnologias ajudam agricultores na produção de cafés especiais e sustentáveis

Agricultura

Inscrições abertas para Concurso de Qualidade do Melhor Tomate de Mesa de Venda Nova