FMZ A Rádio
da Família

Documento pede adequações às novas exigências de comercialização de aves

A quinta-feira (12) foi marcada por reuniões decisivas para o setor avícola capixaba. Pela manhã, representantes do setor se reuniram com o secretário de Estado de Agricultura, Abastecimento, Aqüicultura e Pesca (Seag), César Colnago e representantes do Instituto Capixaba de Defesa Agropecuária e Florestal (Idaf) para discutirem questões relacionadas ao trânsito interestadual das aves capixabas. A reunião foi realizada na sede da Seag.

O presidente da Associação dos Avicultores do Espírito Santo (Aves), Antônio Venturini, alerta para uma possível crise na avicultura capixaba caso não seja suspensa a portaria número 024-R, de 28 de junho de 2007. Esse documento proíbe o transporte de aves vivas em caixas nas carrocerias de caminhões.

“A AVES não é contra a lei, mas sim contra o prazo para adequação às exigências, que é muito curto. É lamentável, mas não temos capacidade de abate para a nossa produção. A partir de agora as aves deixarão de transitar vivas para os abatedouros municipais capixabas e de outros estados. Teremos de reduzir drasticamente os plantéis, o que condenaria a avicultura do Espírito Santo”, informa o presidente.

O número de estabelecimentos com selos estaduais e federais é insuficiente para atender a demanda de animais vivos do Estado. Atualmente, mais de 60% das aves do Estado são transportadas vivas e, caso a portaria que proíbe esta prática seja mantida, 15 mil empregos podem ser afetados direta ou indiretamente.

Para buscar medidas que solucionem a questão, outra reunião foi realizada na tarde desta quinta-feira. Estiveram presentes representantes da Associação dos Avicultores do Espírito Santo (Aves) e técnicos do Instituto Capixaba de Defesa Agropecuária e Florestal (Idaf).

Algumas medidas foram apontadas para tentar solucionar o problema. Uma delas é a regionalização da comercialização. Neste caso, a idéia é propor que seja feito um corredor de livre trânsito entre os estados do Espírito Santo, Rio de Janeiro e Bahia. No caso da comercialização interna, ficou acertado que o Idaf irá auxiliar os abatedouros municipais para que eles façam adequações básicas para o abate e comercialização de aves para o consumo interno.

De acordo com o secretário executivo da Aves, Nélio Hand, na próxima semana será encaminhado um documento ao Ministério da Agricultura com algumas sugestões de mudança na portaria número 024-R. Neste documento, será justificado o abate de galinhas de descarte em locais com inspeção estadual e municipal.

Também será sugerida a possibilidade de que tanto aves de descarte quanto de corte possam transitar vivas para abatedouros de outros Estados, desde que estejam validadas com um laudo sorológico e clínico atestando que são animais sadios e não oferecem nenhum risco à saúde pública. A expectativa, segundo Nélio, é a de que o Ministério atenda à demanda dos avicultores, caso contrário ele não descarta a possibilidade de providências judiciais.

Fonte: Jornal “O NOTICIÁRIO”. Veja reportagem completa na próxima edição.

Confira mais Notícias

PH do SOLO

Venda Nova irá doar calcário, mudas de café e pupunha para produtores

Ruraltur

Empreendedores da região Serrana vão participar de feira nacional no MS

Veja os premiados no leilão de cafés tardios de Venda Nova

Incaper

Tecnologias ajudam agricultores na produção de cafés especiais e sustentáveis

Agricultura

Inscrições abertas para Concurso de Qualidade do Melhor Tomate de Mesa de Venda Nova

Crescimento

Exportações do agronegócio capixaba alcançam R$ 8,25 bilhões em dez meses

Prêmio

Conheça os finalistas do leilão de cafés tardios de qualidade de Venda Nova

Valor das aplicações de crédito rural no ES bate recorde nos quatro primeiros meses do plano safra 2023/2024