FMZ A Rádio
da Família

Lorenção lançam novo embutido

•Por Leandro Fidelis

Duas viagens à Itália (uma no ano passado com um grupo de produtores do agroturismo) enchem de inspiração os Lorenção, de Venda Nova. O intercâmbio naquele país rende novos produtos tradicionais na agroindústria da família, na Tapera.

Um deles é o “culatello”, cuja produção está acelerada por causa da Festa da Polenta, em outubro. Trata-se de um embutido de carne de porco como o socol, só que feito da parte nobre do pernil.

Temperado com uma mistura de ervas aromáticas, as peças ficam de seis a oito meses em processo de cura. O socol, do lombo suíno, leva, em média, cinco meses.

“Fui à Itália em 97 e conheci o culatello. No ano passado, Dete trouxe as informações que faltavam para iniciar a produção”, conta José Ednes Lorenção, marido da produtora Dete e filho do casal Máximo e Cacilda Lorenção, pioneiro do socol em Venda Nova.

Cerca de 50 peças estarão à venda na lojinha da propriedade. A Família ainda não levantou o custo para estipular o preço da unidade ou quilo, as aposta no sucesso da iguaria entre os consumidores de produtos do agroturismo. “O paladar é muito saboroso e combina com degustação de cachaça”, afirma Dete.

Outras novidades são o “limoncello” e o “caponata agridoce”. O primeiro é um licor de limão siciliano, fruto originário da Itália, hoje só produzido no Brasil em São Paulo e na propriedade de Benjamin Falqueto, em Venda Nova.

Já a caponata é mais uma variedade de antipasto à base de berinjela, pimentão amarelo, macadâmia, entre outras iguarias. Atualmente, os Lorenção produzem tomate seco (feito com tomate italiano), antipasto de tomate verde, doce de limão e lichia.

Socol na vitrine do Brasil

Com o nome “Comunidade do Socol”, os produtores Dete Lorenção, da Tapera, e Angelim Falqueto, de Alto Bananeiras, vão divulgar o socol no Salão Terra Madre Brasil, que acontecerá durante a Feira Nacional da Agricultura Familiar e Reforma Agrária, em Brasília, de 4 a 7 de outubro.

O evento acontece numa parceria do Ministério do Desenvolvimento Agrário e “Slow Food”, um movimento contrário ao “fast-food”. O Terra Madre vai mostrar as comunidades de alimentos tradicionais que perpetuam a cultura por meio da gastronomia em várias regiões brasileiras.

De acordo com Rita Zanúncio, economista doméstica do Incaper, chefs de cozinha do país inteiro criarão receitas com estes produtos durante o evento na capital federal.

Dete está animada e vê possibilidade de crescimento. “Venda Nova é o único lugar do Brasil que tem tradição no socol e a Família Lorenção foi a primeira a comercializá-lo. Participar desta feira nos faz perceber que nosso produto não está sendo valorizado só no Estado, mas em nível de Brasil”.

O produtor Angelim também tem boas expectativas. “Vai ser bom para Venda Nova e para todos nós que fazemos socol”.

Confira mais Notícias

Agronegócio

Idaf capacita Serviços de Inspeção Municipais e totaliza 525 produtos incluídos no Susaf

Economia

Recorde nas exportações do agro capixaba no 1º trimestre de 2024

Agricultura

Centro de Cafés Especiais do Espírito Santo é escolhido para avaliar grãos do Mato Grosso

PH do SOLO

Venda Nova irá doar calcário, mudas de café e pupunha para produtores

Ruraltur

Empreendedores da região Serrana vão participar de feira nacional no MS

Veja os premiados no leilão de cafés tardios de Venda Nova

Incaper

Tecnologias ajudam agricultores na produção de cafés especiais e sustentáveis

Agricultura

Inscrições abertas para Concurso de Qualidade do Melhor Tomate de Mesa de Venda Nova