FMZ A Rádio
da Família

Pra contar carneirinhos acordado

* Por Leandro Fidelis

O tamanho do mercado é extenso como um novelo de lã. Mas o agricultor familiar que investir em ovinos pode gerar renda além da tosquia. Só para se ter uma idéia, o brasileiro consome pouca carne e mal conhece o sabor do queijo do leite de ovelha.

A Região Serrana já conta com pólos de ovinocultura. Quem está na atividade garante ser rentável, a ponto de o homem do campo não pensar em sair do lugar onde vive. Com a venda da carne, a lucratividade chega a 60%. Enquanto a arroba bovina custa R$ 50,00, a ovina vale três vezes mais.

Em Venda Nova, o zootecnista Gláucio Magalhães aposta no ramo de melhoramento genético. Em 1 hectare de uma propriedade de 8 alqueires, ele cria 16 animais das raças Santa Inês, a mais difundida no país; e Dorper, originária da África do Sul, cujas características são a cabeça preta e o pêlo branco. Quando cruzadas, garantem carne de qualidade apreciada.

Há dois anos, ele investiu R$ 27 mil em parceria com o produtor rural Arnaldo Falqueto, proprietário da fazenda. Começou com sete animais e hoje comercializa reprodutores da raça Dorper e desenvolve produtos para ovinos, atendendo criadores da região. Os filhotes, na desmama, custam a partir de R$ 2 mil e podem chegar a R$ 10 mil.

Em um ano e dois meses, Gláucio teve retorno de 80% do capital investido. O produtor calcula a partir de sua experiência que só criando Dorper puro o rendimento é de 12% ao mês. “Não existe aplicação no mundo comparada a esta”, dimensiona.

Junto com um especialista em nutrição animal da Universidade Federal Fluminense- UFF, Gláucio desenvolveu um projeto para agricultura familiar, analisando o custo da rentabilidade do Dorper puro sangue, Santa Inês e meio sangue. A taxa chega a 13,91% ao ano, incluindo o investimento inicial para estruturar a propriedade. De acordo com o zootecnista, a taxa triplica em três anos. “Neste período, o criador já conseguiu pagar o investimento”, diz. “O Ovino aproxima o homem do campo. O manejo é fácil, familiar”.

Outro exemplo é o de Ozênio Zorzal, de Viçosa, Conceição do Castelo. Dono de um plantel de 60 ovinos entre filhotes e adultos, ele ingressou na atividade há cinco anos, visando apenas colocar os animais para se alimentar da grama acumulada em volta dos tanques de peixe.

Acabou pegando gosto e hoje abastece o mercado local com carne de Santa Inês. Com a chegada do Natal, há uma enorme lista de espera. “A procura aumenta nesta época e tenho que abater o cordeiro um pouco menor para dar conta. A ovinocultura tem boa rotatividade, é mais veloz em relação ao bovino”, diz.

Produção

A alimentação básica de ovinos é capim volumoso e ração, em períodos mais secos. Obtém-se um cordeiro (animal com até seis meses de vida) em cinco meses a pasto. Para o abate, o carneiro (animal adulto) deve ter 60 kg, o dobro do cordeiro. Dependendo da raça, a produção média é de um ano.

Os frigoríficos pagam melhor pela cruza, quase 50% a mais que o Santa Inês puro. No Espírito Santo, o quilo da picanha do cordeiro custa R$ 30,00, enquanto o carneiro sai pela metade. O cordeiro é apreciado porque sua carne tem 0% de colesterol. Quando cotado em carne, o meio sangue é comprado- a peso vivo- a 3,50 o quilo.

Confira mais Notícias

Agronegócio

Idaf capacita Serviços de Inspeção Municipais e totaliza 525 produtos incluídos no Susaf

Economia

Recorde nas exportações do agro capixaba no 1º trimestre de 2024

Agricultura

Centro de Cafés Especiais do Espírito Santo é escolhido para avaliar grãos do Mato Grosso

PH do SOLO

Venda Nova irá doar calcário, mudas de café e pupunha para produtores

Ruraltur

Empreendedores da região Serrana vão participar de feira nacional no MS

Veja os premiados no leilão de cafés tardios de Venda Nova

Incaper

Tecnologias ajudam agricultores na produção de cafés especiais e sustentáveis

Agricultura

Inscrições abertas para Concurso de Qualidade do Melhor Tomate de Mesa de Venda Nova