FMZ A Rádio
da Família

Sem reajuste salarial, servidores de Afonso Cláudio vão às ruas

Uma manifestação pública, com a participação de pelos menos 600 servidores municipais de Afonso Cláudio, parou a cidade na manhã desta terça-feira (18/03). O movimento teve o objetivo de atrair a atenção da comunidade para o problema salarial enfrentado pela classe. Houve fogos de artifício, apitaço e canto de refrões.

Cartazes com dizeres direcionados à questão em foco, como “Queremos um salário digno e respeito”, “Aumento para secretários. Isso pooode”, “E nós, os outros, não pooode”, “Aumento para o prefeito. Isso Pode” e muitas outras frases de efeito foram carregadas em painéis pelos manifestantes pelas principais ruas da cidade.

O movimento foi iniciado e encerrado na frente do prédio da Prefeitura, após percorrer o centro da cidade e fez parar o funcionamento de todos os setores públicos municipais, funcionando apenas as secretarias de Administração e Gabinete.

O movimento foi iniciado por volta das 8 horas e parou uma das faixas de tráfego de veículos nas ruas e principais praças do centro. Uma radiopatrulha da Polícia Militar da 2ª Companhia Independente acompanhou de longe a caminhada dos funcionários públicos municipais. Não houve violência.

Alunos de uma escola pública do centro da cidade se empolgaram com o grande número de manifestantes e saíram das salas de aula engrossando o número de participantes da caminhada.

O presidente do Sindicato dos Servidores Públicos de Afonso Cláudio, Alcenir Aguiar da Costa, disse que a manifestação pacífica é a alternativa única para mostrar à população de Afonso Cláudio a verdadeira situação salarial dos funcionários. “Alguns recebem menos de R$ 360,00 e vivem em situação de miséria dentro de casa”, disse.

O reajuste salarial para a classe de servidor público, reivindicada pela entidade, segundo Aguiar é de 12,5% equivalente a 2007 e 12,5% para 2008. “A defasagem salarial está envergonhando o nosso servidor, que precisa fazer trabalhos extras para conseguir comprar a alimentação da família.

Aguiar acrescentou que já enviou um documento contendo centenas de assinaturas mostrando ao prefeito o direito ao reajuste do salário. “Há 12 anos vivemos com defasagem salarial, não dá para suportar essa condição de vida imposta pelo prefeito”, disse o sindicalista, acrescentando que agendou um encontro com o prefeito Guedes.

“Amanhã, dia 18, vamos ter uma conversa aberta. Agendamos uma reunião com Edélio e vamos reivindicar somente os nossos direitos. Na da mais que isso”, afirmou Aguiar após percorrer todo o centro da cidade com um microfone, no interior de uma peruinha explicando à população os motivos da manifestação. “A comunidade está do nosso lado”.

O prefeito Edélio Guedes não estava viajando nesta manhã. O secretário de Administração do município de Afonso Cláudio, Lenemarques Lemos, afirmou que em 2007 houve uma reestruturação salarial em Afonso Cláudio, mas a reivindicação do Sindicato dos Servidores Municipais não pôde ser atendida pelo aspecto da legalidade.

O prefeito, segundo Lemos, ao receber um documento procedente do Sindicato dos Servidores buscou primeiramente a atender os aspectos da legalidade. “Edélio buscou pareceres da Assessoria Jurídica e da empresa contábil que presta serviço à municipalidade. Ambas emitiram pareceres contrários ao pedido dos servidores por força da Lei de Responsabilidade Fiscal”.

* Fonte: Folha Vitória

Confira mais Notícias

Mulher morre em grave acidente na BR 262 em Marechal Floriano

Horário de funcionamento nas creches de Venda Nova será ampliado

Cidades

Prefeitura de Venda Nova abre acesso provisório à BR-262 devido à obra em galeira

Cidades

Prefeitura de Venda Nova elabora projeto de lei para regulamentar “hoteizinhos infantis”

Inscrições abertas para castração de cães e gatos em Venda Nova

Cidades

Governo do ES inaugura obras e anuncia novos investimentos em Marechal Floriano

Turismo

Pedra Azul é o segundo local mais acolhedor do Brasil

Emprego

ES cria mais de 34 mil novos postos de trabalho com carteira assinada em 2023