FMZ A Rádio
da Família

Trabalhadores perdem o emprego e os direitos trabalhistas

* Por Leandro Fidelis

A rescisão de contratos de trabalho tem sido tarefa difícil em Venda Nova. O Ministério Público Estadual- MPE, responsável por esse atendimento, limitou as homologações a 20 trabalhadores por mês. Como há vagas apenas para daqui a três meses, alguns desempregados correm o risco de perder os benefícios a que têm direito em caso de fim de contrato.

A promotora Adriana Dias Paes Ristori se pronunciou através de um comunicado, no qual afirma que o Ministério Público está sobrecarregado de processos judiciais e inquéritos policiais e participa, em média, de 50 a 70 audiências mensalmente.

Adriana alega que, conforme o artigo 477 da Consolidação das Leis de Trabalho- CLT, a rescisão contratual deve ser feita com assistência dos sindicatos e do Ministério do Trabalho e que a atuação do MPE acontece em municípios onde não há representação dessas entidades. Em função disto, a Promotoria de Justiça Geral atende a um total de 20 empregados para homologação de rescisão de contrato por mês.

Para agilizar o processo e garantir o FGTS e o Seguro Desemprego de seus ex-funcionários, alguns empregadores estão entrando com ações na Justiça do Trabalho. O diretor de secretaria da Vara do Trabalho de Venda Nova, Vitório Bianco, afirma que o órgão não substitui as atividades administrativas do Ministério Público. Bianco acrescenta que esse tipo de ação valida a homologação, mesmo sem passar pela promotoria.

Para ele, a solução seria que as empresas exigissem a atuação sindical. “Muitos sindicatos têm sede só em Vitória e não prestam o devido serviço no interior. Eles têm a base de contribuição sindical e sonegam estes serviços. O Ministério Público está assoberbado, não tem estrutura para a demanda de rescisões e isto acaba criando um entrave. Algumas empresas estão fazendo parceria com os próprios sindicatos para, em caso de demissão, enviarem um representante para homologar a rescisão”.

Segundo Diomar Vazzoler, delegado do Conselho Regional de Contabilidade, quem mais sai prejudicado é o trabalhador. Ele solicitou ao presidente do CRC a instalação de uma Delegacia Regional do Trabalho em Venda Nova, mas afirma ser um processo burocrático, demorado e político. Enquanto isto não se resolve, os processos vão se acumulando.

A empresária Cristiani Minet afirma que não é contra a decisão da promotora de limitar o número de homologações mensais porque entende ter o Ministério Público outras questões mais importantes para tratar. No entanto, a demora do processo está gerando problemas para os empresários. “O que fica complicado para minha empresa e as demais é que esse número é insuficiente. Já tive dois casos que, por não conseguir marcar a data, precisei recorrer à Justiça do Trabalho. Depositei o valor da rescisão e fui até o juiz homologar, só que isto gerou um custo de R$ 300,00 com o advogado. Nosso desejo é que o Ministério do Trabalho coloque alguém para fazer este serviço”.

No caso da garçonete Maria Sandra da Silva, a homologação do seu processo de demissão só será daqui a três meses. Ela teme perder o Seguro Desemprego. “Não entendo muito o assunto e vou esperar uma conversa entre minha ex-patroa e o contador”.

Enquanto a situação não se resolve, os empregadores estão tendo que gastar mais com advogados, os trabalhadores estão perdendo o prazo do Seguro Desemprego e saindo literalmente com “uma mão na frente e outra atrás”.

Confira mais Notícias

Definido calendário do IPVA 2024 para o Espírito Santo

Governo do Espírito Santo anuncia pagamento de abono salarial em dezembro

Procon-ES alerta quanto às armadilhas do verão

Secretaria Estadual de Educação realiza processo seletivo para Cuidador

Nova espécie de planta é descoberta no Espírito Santo

Novos pároco e vigário da Paróquia São Pedro tomam posse em Venda Nova

Transportadores de cargas têm até dia 31 de janeiro para se tornarem MEI Caminhoneiro

Parque Estadual do Forno Grande recebe exposição fotográfica `Aves de Caetés´